Bloqueio Session #4: Feroz Como Um Lobo (Season Finale)

Olá nerds! Hoje, depois de muito tempo, vai ao ar o último capítulo da primeira temporada do Bloqueio Session. Com muito esforço e esmero, conseguimos! Mas se não leu os outros capítulos, pare agora, leia-os, e depois volte aqui. Não se assuste, são apenas três!

Bloqueio Session #1: A Hospedaria Pé-de-Coelho

Bloqueio Session #2: Bebei Amigos Yo-Ho!

Bloqueio Session #3: A Entrada

 BS #4 Ferozes como Lobos

Aramis aproximou sua tocha da rocha e revelou uma tabela com números que estavam circunscritos nela. A inscrição não parecia ter sido feita há muito tempo, pois estava bem conservada, mas a camada de sujeira que cobria a rocha mostrava que ninguém mexia nela havia muito tempo.

– Interessante – Sussurrou Aramis.

– O que é interessante? Deixe-me ver! – Falou Lielf, o gnomo, pulando para tentar enxergar.

Aramis se afastou pensativo, entregando a tocha para Gatlek, e sentou-se escorado na rocha. Então todos viram o que estava inscrito na rocha:

BS#4 Pedra

– Eu já vi isso. – começou a falar Aramis – Ou algo parecido pelo menos. É uma espécie de enigma. Já brinquei disso quando criança, mas não gostava muito. Se chama…

– Quadrado Mágico. Eu brinquei muito disto quando criança. Desde pequeno adorei números e desafios matemáticos.

– Eu me interessava apenas pelo número de moedas em meu bolso, hehe – riu Aramis.

Lielf pigarreou para limpar a garganta, tentando ignorar Aramis – Este aqui é bem simples, pois há apenas um número faltando. Fizeram assim para que houvesse apenas uma resposta. A soma de todas as retas deve ser o mesmo número, e eles não podem se repetir.

– O único número faltando é cinco! Eu conheço este jogo como Sudoku. Aprendi com um monge que conheci em uma viagem há anos atrás – Falou Wilven.

– Mas e agora? Ô pedra! É cinco! – Disse Gatlek olhando seriamente para a pedra.

-Ela não vai responder Gatlek – Falou Lielf condescendente.

Os aventureiros sabiam a resposta, mas não sabiam o que fazer com ela. Falaram “cinco” em todas línguas que conheciam, e tentaram escrever na pedra com galhos, facas e pedras, mas nada aconteceu. Resolveram descansar um pouco, pois estavam exaustos da viagem e da sua batalha anterior. Xingaram quando uma forte chuva começou, mas conseguiram se abrigar embaixo de uma grande árvore.

– Hey, olhem aquilo! – Disse Aramis apontando para a rocha.

– O que foi Aramis? – Perguntou Gatlek.

– A chuva… limpou a pedra. Havia mais inscrições na pedra! – E ao se aproximarem todos viram a pedra por completo. Continuar lendo

Anúncios

Bloqueio Session #3: A Entrada

Vamos para a terceira parte do Bloqueio Session galera! A série de contos aqui do blog inspirado nas nossas sessões de RPG. Não esqueça também de ler as outras partes antes de ler a terceira, porque, né… não preciso nem dizer:

Bloqueio Session #1: A Hospedaria Pé-de-Coelho

Bloqueio Session #2: Bebei Amigos Yo-Ho!

Bem, agora vamos para a terceira edição do nosso conto!

BS #3

 

Gatlek e Aramis foram despertados por uma chuva fina e fria que caía. Ao se levantarem perceberam que haviam adormecido na rua, deitados na grama. Aramis tirou a grama e a terra em seu cabelo enquanto Gatlek se alongou para relaxar os músculos. Ele sentia que breve teria de usar seu machado, e queria estar preparado para a situação. Billy abriu a porta dos fundos e os chamou para dentro.

Ao entrarem viram o anão e o gnomo já com suas mochilas nas costas – O que estão esperando? Juntem logo suas tralhas e vamos! – Resmungou Wilven. Dentro do quarto, enquanto pegavam suas mochilas, Aramis comentou:

-Parece que esse anão acordou de mau humor hoje.

-Eu posso ouvi-lo Aramis! Converse menos e se apresse mais! – Gritou o anão. Aramis fechou a cara, pegou suas coisas e foi para sala seguido por Gatlek, que não tinha muitas coisas para carregar. Estava acostumado a viver apenas com o necessário nas montanhas. Desde que tivesse seu machado, tudo estaria bem.

-Cuidem-se meus amigos! – Foi o que disse Billy, enquanto fechava a porta atrás dos quatro aventureiros que partiam em sua aventura. Antes de começarem sua caminhada todos pararam lado a lado, esticaram as costas, respiraram profundamente e admiraram o novo sol que nascia.

Wilven, o anão, rezou a Kord, seu deus, e disse que enquanto a vida soprasse dentro de seu peito, e a bênção de Kord recaísse sobre ele, jamais recuaria de uma batalha. Lielf, o gnomo, apenas desejou que pudessem voltar o mais rápido possível para que comemorassem com um bom trago. Aramis, o eladrin, observou o nascer do sol e percebeu que talvez… talvez aquela terra possuísse belezas dignas de seus olhos. Gatlek, o golias de dois metros e meio segurou firme o cabo de seu machado – Calma meu amigo, eu estou impaciente também – pensou ele. Continuar lendo

Bloqueio Session #2: Bebei Amigos Yo-Ho!

Olá nerds, hoje trago a vocês a segunda edição do Bloqueio Session! A série de contos aqui do blog. Mas você não vai querer ler o dois, sem ler o primeiro né? Pois não vai entender nada. Então leia o Bloqueio Session #1: A Hospedaria Pé-de-Coelho. Mas se você já leu, siga em frente e acompanhe nossos aventureiros!

BS#2

Após ajudarem a apagar o fogo da hospedaria, o grupo de quatro aventureiros seguia Wilven, o anão, até a casa de um amigo dele que vivia na Vila da Fumaça, para que pudessem cuidar de seus ferimentos e descansar. Todos chegaram a um pequeno casebre de madeira, que só não era derrubado pelo vento, pois estava entre duas casas que o protegiam. O anão bateu a porta, e eles esperaram cerca de um minuto até que a frágil porta de madeira se abriu com um leve rangido.

Do outro lado da porta estava um senhor com cerca de sessenta anos, com cabelos brancos e escassos. Seus olhos eram azuis e profundos, mas um pouco distantes. Vestia roupas de festa, porém tão velhas, surradas e remendadas, que estavam em pior estado que roupas de viagem. Ao abrir a porta ele direcionou seus olhos para Wilven, abriu um longo sorriso, e então falou:

– Olá Wilven! O que o traz aqui? – Enquanto olhava para os aventureiros atrás dele.

– Nós estávamos na Pé-de-Coelho quando apareceu um tiefling maldito. Ele atacou Burton. Mas juntando nossos esforços o derrotamos. E o Gatlek aqui o partiu no meio! – Disse o anão dando um tapa nas costas do Golias que estava ao seu lado.

-E quem são estes seus amigos? – Perguntou o homem, analisando os aventureiros com um olhar crítico. Continuar lendo

Bloqueio Session #1: A Hospedaria Pé-de-Coelho

Bloqueio Session é outra nova coluna aqui do blog, onde eu escreverei contos baseados nas sessões de RPG, que conta com a participação de integrantes do blog e nossos amigos. Espero que gostem!

BS#1

No reino de Dathros, existe uma vila tão pequena que mal merecia um nome. Nela vivem poucas pessoas, que vivem suas vidas pacata e monotonamente. Conhecida por Vila da Fumaça; é chamada assim, pois uma vez por ano é inundada por uma névoa branca e espessa, que se assemelha muito à fumaça. Os moradores locais acreditam que essa névoa traz consigo espíritos de antigos guerreiros e heróis, e nesse dia, ninguém sai de casa.

Coincidentemente, foi neste exato dia que um pequeno grupo de viajantes estava passando pela Vila da Fumaça. Haviam escolhido este caminho por ser o mais curto e rápido em direção à capital, onde procurariam por trabalho. Não acreditavam na história dos espíritos escondidos na névoa, mas o nevoeiro tornava sua viagem completamente impraticável. Por isso se dirigiram até uma pequena hospedaria, a única na cidade.

Na frente dela se encontrava um cavalete com um pé de coelho pintado de roxo desenhado, e acima dele se liam as inscrições “Hospedaria Pé-de-Coelho”.

Hospedaria Pé-de-Coelho

Burton estava limpando uma caneca de vidro atrás do balcão quando um grupo de aventureiros entrou pela porta da hospedaria. O homem se assustou e quase deixou a caneca cair ao ver que um golias entrava pela porta. Um humanoide de dois metros e meio. Sua pele era acinzentada como pedra, vestia uma armadura de couro. Carregava nas costas um escudo e uma espada. Não possuía um único fio de cabelo ou barba, e tinha pinturas de guerra pelo corpo todo.

Logo atrás dele vinha um eladrin, com cabelos loiros e compridos, de olhos sem pupila, completamente verdes. Ele entrou com ar de soberania e nariz em pé, murmurando algo. Burton viu alguém saindo de trás do eladrin, que a primeira vista parecia uma criança, mas após alguns segundos observando atentamente ele percebeu que era um gnomo. Não tinha muito mais do que um metro, e vestia uma capa azul marinho que quase o envolvia completamente, devido ao seu tamanho.

Eles sentaram-se em uma das escassas mesas que o salão da hospedaria possuía, enquanto Burton saiu de trás do balcão, com um pano pendurado no ombro e uma pequena bolsa de dinheiro no cinto. Ao se aproximar da mesa os aventureiros analisaram melhor o hospedeiro. Ele era um homem com cerca de um metro e sessenta, com o topo da cabeça calvo. Ele tinha um grande nariz redondo, que só não era maior do que o seu imenso bigode. Carregava em seu pescoço um cordão com um pé-de-coelho roxo como pingente.

-O que posso fazer pelos senhores? – perguntou o hospedeiro com o pé-de-coelho balançando no pescoço e um largo sorriso no rosto. Continuar lendo