I’m a Genius: Guilherme Briggs

No “I’m a Genius” de hoje, coluna aqui do blog que tem como objetivo falar sobre a trajetória de personalidades e personagens que tenham o direito de se dizerem gênios, vou apresentar Guilherme Briggs. Eu já falei sobre o Stan Lee e o Steve Jobs, dois estadunidenses, mas hoje vai ser diferente, vou falar de um brasileiro, o gênio da dublagem Guilherme Briggs. O famoso dublador é responsável pela voz de personagens como Freakazoide , Buzz Lightyear, Grinch, Super-Homem, Optimus Prime, Han Solo, Cosmo e muito mais! Como podemos ver, ele dublou diversos personagens que nós, nerds, amamos muito! É impossível que você não tenha escutado a voz dele cm algum filme ou animação ainda. Com um talento incrível e um ótimo feeling, Guilherme Briggs é com certeza um dos maiores dubladores do Brasil.

Guilherme Briggs

Guilherme Briggs nasceu em 25 de julho de 1970, na cidade maravilhosa de Rio de Janeiro, e desde jovem “brincava” de dublagem com seu pai, o que com certeza fez com que ele se apaixonasse por esta arte. O seu primeiro trabalho foi o personagem Worf, em Star Trek, no ano de 1991. A partir daí vieram diversos personagens que, mesmo que não fossem bons, Guilherme os transformava, fazendo-os ficarem sensacionais! O dublador realmente é apaixonado, colocando inflexões, gritos e risadas únicas. Fazendo mudanças no script, sendo autorizado ou não. Continuar lendo

I’m A Genius: Steve Jobs, O Mago da Realidade

Hoje nós temos a segunda edição da nossa nova coluna “I’m a Genius”, que estreou há duas semanas atrás com o posto sobre Stan Lee, O Herói de Infância, nosso bom velhinho dos super heróis! Mas hoje o nosso gênio homenageado será Steve Jobs. Uma pessoa que só ficou conhecido pela grande maioria nos últimos anos, pelo seu trabalho na Apple, e produtos como o IPhone e IPad, mas poucos sabem que ele já fazia diferença nas nossas vidas (ou dos nossos pais) muito antes de sabermos. Revolucionando tanto os aparelhos tecnológicos quanto no universo da animação em 3D e da tipografia! Hun? Não está entendendo? Então leia o resto do post e descubra!

Steve Jobs

O nosso gênio de hoje nasceu em 24 de fevereiro de 1955, São Francisco, Califórnia. A sua trajetória é marcada por diversas vitórias, algumas “derrotas” que ele utilizou para se superar e se renovar, tal qual uma fênix, inovando o mundo cada vez mais. Steve Jobs nunca foi muito o cara do Hardware, de montar em si suas máquinas, mas ele era um gênio! O gênio! Tirava ideias do fundo de sua cabeça, e sempre dava um jeito de colocá-las em prática. Mais do que um gênio, ele foi um heróis, um mago, utilizando seus poderes para distorcer a realidade. Sempre criando coisas que as pessoas não sabiam que precisavam. Bem, vamos então a alguns de seus grandes feitos, deixando claro que este post não uma biografia, o objetivo é mostrar os principais motivos que o caracterizam como um gênio. Continuar lendo

I’m a Genius: Stan Lee, O Herói de Infância

Estreando hoje uma nova coluna do blog! Nós já passamos por uma “reforma” aqui no blog, e agora vamos passar por mais uma. A partir desta semana vocês terão novas colunas para ler, e outras colunas que vão voltar! A coluna I’m a Genius vai ficar por minha conta. Nesta coluna eu vou falar de personalidades, sejam reais ou fictícias, que tem o direito de dizer “I’m a genius!” (Eu sou um gênio). O objetivo é fazer vocês, leitores, conhecerem estas personalidades que nós, nerds, temos tanto carinho. E o gênio desta vez é o nosso bom e velho Stan Lee!

Stan Lee

Nascido em 28 de dezembro, no ano de 1922, o roteirista, editor, publicitário, produtor e empresário chamado Stanley Martin Lieber, mais conhecido como Stan Lee, foi responsável por uma revolução no mundo das histórias em quadrinhos que nós tanto amamos. Até os anos 50, quem liderava o mercado era a DC Comics, com seus super-heróis perfeitos e invencíveis, como o Super-Homem, Batman (clique para saber sobre o novo filme em conjunto desses heróis) e a Mulher Maravilha.

O que Stan Lee trouxe de novo, junto com o famoso desenhista Jack Kirby, foram heróis muito mais humanizados. Os heróis da DC estavam sempre em cima de um pedestal, mas os heróis da Marvel estavam ao nosso lado, estavam dentro de nós, eram nós mesmos! Possuíam problemas do cotidiano, iam à escola, precisavam pagar contas e lidavam com problemas pessoais. Antes não era possível se colocar no lugar de um alien de Krypton, mas se colocar no lugar de um adolescente como o Homem-Aranha, ou de “excluídos” como os X-Men era muito mais fácil.

Continuar lendo